sábado, 16 de fevereiro de 2013

Vilões Os Verdadeiros Heróis


         Em Todas as histórias onde existem o bem e o mal os vilões estão sempre presentes. Na maioria dos casos os vilões são o subproduto criado pelos próprios heróis. Por acidente ou fatalidade o vilão é sempre um tipo de vitima de algum fato que só veio ocorrer pela existência de nossos heróis, estes por sua vez são sempre seres privilegiados de alguma forma, por um dom ou algum fato ocorrido em sua história de vida, na maioria das vezes os heróis não tiveram pais e tem que se virar no cuidado de sua própria existência, mas nisso eles sempre têm outros privilégios, são sempre cuidados por seres bondosos e generosos que cuidam e administram suas heranças sejam elas financeiras ou algum dom que só os seus entes mais próximos conhecem... Bem, se todas as histórias têm sempre o mesmo enredo será que não existe uma mensagem embutida em nosso inconsciente que nos leva a repetir esta mesma forma de contar só que com outros personagens?

            Vejamos então por que nosso inconsciente gera estes heróis:

            Eles são seres bons, muitas vezes rebeldes e sem o cuidado e carinho de seus pais:

            Será então um desejo inconsciente que todos têm de se livrar de seguir e obedecer ordens, serem livres e fazerem o que bem quer com seus corpos e suas vidas?

            Muitas vezes nossos heróis são pessoas cheias de agilidades, treinadas por mestres ou apenas adquiriram conhecimento por um desejo de vingança ou de alguma forma se libertarem do controle, são privilegiados por algum dom sobrenatural ou uma inteligência acima da maioria das pessoas, mas também tem alguma fraqueza, geralmente um segredo oculto. São cheios de sensualidade e capacidade de atrair pessoas lindas a sua volta. São como heróis olímpicos patrocinados por uma ciência que nem eles mesmos sabem ao certo como funcionam, só sabem que devem sempre usar suas agilidades e força para DESTRUIR! Isso mesmo, eles sempre destroem.
           
            Vejamos agora como nosso inconsciente gera os vilões:

            Eles são seres maldosos sem limites para adquirir poder, revoltados por não terem o carinho e a atenção dos pais, são carentes não se sentem amados e nem respeitados.

            Seria este então o lado ruim de nosso subconsciente, exigindo de nós mesmos alguma forma de controle, nos mostrando que liberdade sem disciplina pode levar você para um mundo de total desafeto e desapego por sua própria existência?
 
            Nossos vilões são seres fracos, que vivem muitas vezes sem nenhuma esperança e privilégios, em alguns casos até tiveram treinamento de grandes mestres, mas foram incumbidos de não usar todo seu poder, ao serem reprimidos e sem nenhum dom sobrenatural, sem nenhuma herança adquirida eles só tem um poder que ninguém, nem mesmo nossos heróis são capazes de vencer: A Inteligência.

            Apaixonados por aquelas pessoas que cercam seus rivais (Heróis) nossos vilões acabam sempre descobrindo o segredo dos seus inimigos, mas por alguma razão eles nunca contam o segredo para todos, usam o que sabem e conhecendo a fraqueza dos heróis, os vilões constroem armas poderosíssimas conseguem e criam seu próprio poder, capturam o herói e depois de todo o esforço começam um longo discurso, praticamente após terem feito tantas maldades eles mostram seus sentimentos para os heróis e fala de toda sua luta e falta de amor que os cercavam, reclamam de não terem a sensualidade do herói e somente sua inteligência foi capaz de fazer com que agora sua vitória se estabelecesse, no fundo e depois de tudo, eles mostram para as pessoas que eles tanto amaram que se tivessem sido amados por elas, nada daquele ímpeto teria acontecido!

            O que há então no inconsciente de toda humanidade para que as histórias sejam sempre assim?
           
            O que vejo é que todos nós sabemos o que é o mal. Querendo ou não nós só estamos preocupados com nosso próprio ser, sempre se cercando de dons e privilégios que só poucos têm. Por outro lado todos sabem o que é o bem, mas olham para si mesmos e não vê o bem em suas faces, não tem sensualidade para demonstrar seu amor e muitas vezes são derrotados por seres que tiveram estes privilégios, nasceram lindos e saudáveis, até mesmo quando adquirem uma doença parecem superar com facilidade ou até usam isso ao seu favor e adquirem um poder ou um dom maior. Em ambos os casos sempre estamos sozinhos nessa jornada de escolher o caminho do bem ou o caminho do mal, pai e mãe não dominam nem te obrigam a ser ou viver assim, a escolher este ou aquele caminho é sempre uma decisão sua embora neste mundo sempre buscamos facilidades e sempre achamos que um ser superior tem de vir a terra e dominar a todos, se o bem existe e é igual para todos, então este bem tem que aparecer e tomar conta de tudo, fazer tudo por nós, até mesmo controlar nossas mentes para seguirmos “ordens”. Queremos sim um ser superior para controlar e nos obrigar a ser como a sua “inteligência” manda. Seja através de uma máquina, arma ou uma energia qualquer, nós exigimos um controle interno que venha lá das profundezas do ser, nos domine e coloque o mundo na mais perfeita ordem, isto sem nenhum rancor ou sentimentalismo. Por outro lado queremos liberdade, sensualidade e desejo, exibir o corpo e sua forma perfeita, sua sexualidade seja masculina ou feminina é sempre exaltada em nossos heróis, quem sabe por isso tem tantos vestindo a cueca por cima das calças, queremos mostrar que somos mais fortes que os outros, inteligentes, mas não muito, pois isto exige dedicação demais. Dedicação que cabe aos nossos vilões internos que ao se olharem no espelho e não vê como seduzir o mundo para ter amor e carinho, só à inteligência para fazer com que os outros o respeitem, nossos vilões não tem saída! Eles têm de criar um novo jogo onde as regras os favoreçam e o poder faça com que todos em seu âmago realmente querem: Controle!

            Nossos vilões são os nossos verdadeiros heróis que mostram para nós mesmos o quanto privilegiamos os mais belos, mesmo que burrinhos, amamos sua sensualidade, sua sexualidade, mesmo que nossos heróis não sejam fiéis, só os vilões são capazes de perdoar as traições e entregam de toda sua alma e existência a chamar a atenção daquela ou daquele no qual está o seu amor, seu querer, eles não querem muito, apenas respeito e carinho.

            Nossos pobres vilões internos estão sempre querendo nos dominar e nos colocar a par da razão enquanto nossos heróis estão sempre entregues as forças e as paixões. Mas a força só serve para destruir as máquinas de controle, é como se nossos heróis morassem em nossos corações e nossa mente fosse o grande vilão do mundo. Por incrível que pareça nossa mente é tão cheia de SAGEZA que não revela as fraquezas de nossos corações e esconde sua verdadeira identidade.
            A mente está sempre esperando por você com carinho, com afeto e devoção, como se seu coração fosse um deus poderoso, mas precisa parar um pouco de só querer destruir a inteligência da mente, fique quietinho e deixe sua mente fazer um discurso, não ataque ela com suas paixões como se - só você coração metido a herói tivesse força para realmente viver e olhe para quem você esta chamando de vilão (mente) e veja o quanto ela esta trabalhando para que você saiba verdadeiramente onde está o amor, que está além da sensualidade, além do sexo, além de só desejar o que se vê, a mente quer ser amada e reconhecida por todo este poder que ela tem. Quando você ouvir sua mente olhe bem o que ela diz, pois o vilão está longe do grande desejo do seu coração, de tirar esta cueca ridícula e ter o ser só pela força da beleza.
 
Aprenda á Amar com razão!
    
       
            Todos nós queremos com nosso tolo e estúpido heroísmo viver pelas paixões e destruir a razão. Todas as drogas: Álcool, cigarro, maconha, heroína, LSD... Todas elas visão destruir a mente e liberar o ser para viver somente de emoções, mas coração e mente vivem juntos num mesmo corpo, é preciso equilibrar ambos para viverem juntos em harmonia com o que podemos realmente viver.

            O ser voltado as paixões não se apegam nem se amarguram com as perdas, somente a razão faz isso, e quando nosso tolo e estúpido ‘ser’ que vive em busca de sentimentos e satisfações vê que perdeu mais uma vez por não ter olhado para a razão se culpa, sofre e lamenta, mais ainda quer procurar as emoções e novamente repetir as paixões, enquanto a mente se coíbe de novamente sofrer, pois sabe que ela não é ouvida e é até aprisionada nos vícios causados pelos heróis (Coração). O vilão é este nosso medo de se aprofundar na escuridão de nosso ser e ver que toda culpa esta no sentimentalismo. Ir para o lado negro pode ser uma boa maneira de vencer e que, aliás, é do lado negro que está os pais internos que não vemos, é na escuridão e no silêncio que podemos ver quem realmente nos tornamos, então a luz do coração pode ser acesa, mas trabalhando e se entregando ao que ela realmente vê que o ser é, não só o ser por fora, mas a real razão que esta escondida dentro de cada um!


            Foi através deste imenso vilão (mente) que construímos todo este novo mundo a nossa volta, mas nos vemos tão poderosos pelos nossos heróis internos que queremos destruir o que foi construído pela razão para sermos livres e irresponsáveis com todo este poder. Precisamos olhar com mais carinho para nosso vilão e parar de achar que só é preciso sentir a força de um herói que seremos vitoriosos, pois sem a ciência do vilão nosso herói interno é apenas um ser rebelde e descontrolado que acredita que por poderes mágicos alcançará a felicidade, mas sem nosso vilão tudo que sonhamos vai ser pra sempre apenas sonho!


            

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

Força V. E a batalha contra o “EU”

            Todos querem que tudo a sua volta seja perfeito!

            Desde uma simples compra num supermercado até o carro mais luxuoso, tudo tem de estar na mais perfeita ordem e em sintonia com o “EU”, pois tudo deve ser bom, bonito e agradável aos olhos e ao sabor do ego. Ao escolher uma simples laranja ela tem de estar perfeita, sem manchas de fungos, sua casca deve estar sem cortes ou arranhões, sua textura deve ser uniforme e até seu formato deve ser bem distribuído e de forma simétrica; uma batata, mesmo sendo um tubérculo que nasce no solo, deve estar limpa com uma aparência uniforme de preferência; uma roupa ao ser escolhida buscasse olhar a costura verificasse se os pontos estão bem distribuídos e se não há falhas ou imperfeições no corte do tecido; um carro novo deve ser muito bem pintado, sem falhas em sua pintura, com linhas e curvas harmoniosas e de estrutura aparentemente forte, com um motor sem ruídos e de controles fáceis de serem alcançados. Até mesmo nossa saúde tem de estar perfeita, um corpo saudável é o que se procura nas academias, com músculos uniformes e bem definidos... Enfim tudo que queremos deve ser perfeito!

            Até mesmo “DEUS” deve ser perfeito, bondoso, de julgamento simples e piedoso, caridoso e pacifico com o ser humano e o melhor de tudo: “VERDADEIRO”. Interessante que tudo que queremos, podemos ter e até o que imaginamos tudo tem de ser perfeito, somente o seu “EU” e tão somente o ego é que pode ser falho, vago, cheio de falsidade e com o mais sublime e devotado poder de ser “imperfeito”.
 
            Fica difícil de entender como e por que as pessoas reclamam tanto do mundo ao seu redor, como se mesmo com tantas escolhas perfeitas, com tanta ciência para desenvolver uma pintura perfeita, até com tanta busca para plantar laranjeiras que nos dê laranjas perfeitas, com tanta adoração pela perfeição até o corpo do ser, buscasse ter um corpo perfeito, e o seu eu, justamente a única parte do ser na qual você realmente tem o total domínio e controle, justamente ai é que se aceita a IMPERFEIÇÃO!


            É como querer ser cercado de “verdade” sem ser em si mesmo verdadeiro, querer tudo até mesmo o físico perfeito, mas o ego é a única parte do ser que aceita ser imperfeito falho e vago sem conclusões plausíveis ou verdades que sejam verdades claras e evidentes... O mundo a sua volta sim, é o que tem a obrigação de ser absolutamente correto, justo, perfeito!

            Então fica a pergunta:

            Quando é que o ser humano vai começar a trabalhar de dentro para fora?

            Quando todos vão parar de querer tudo, absolutamente tudo perfeito e esquece-se do seu próprio ser!


            Acredito que o único caminho seja parar de lutar contra o próprio “EU” e aceitar que existe sim uma verdade, uma verdade que ainda não conhecemos e que talvez o nosso trabalho neste mundo, a nossa verdadeira luta seja para derrotarmos tantas mentiras e falcatruas que fazemos todos os dias, a todo o momento só para nos defender do nosso falho “D EU S” dentro de cada um.


Talvez o caminho mais fácil não esteja só lá em cima e sim dentro de nós mesmos.

terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

Princípio da Contrariedade.


         Todo ser, desde as plantas até animais mais complexos, precisam sempre se proteger, seja de outro ser ou até mesmo dos seres da própria espécie. Um gato, por exemplo, ao ser acuado por um cão ele eriça os pelos, arqueia as costas mostra seus dentes e garras. Certas borboletas possuem estampas em suas asas que se assemelham á olhos, para parecer enxergar, outros animais mimetizam outros, pra parecerem ser venenosos... E assim em diante.

Na maioria dos casos o truque dá certo e é interessante como a natureza provém aos seres defesas de seus temores. Porém de certa maneira, que só a racionalidade humana permite fazer, isso também demonstra sua fraqueza! É como dizer:

            _ Olha! Eu finjo ser maior, pois na verdade sou pequeno!
            _ Eu finjo enxergar, pois daí eu não vejo nada!
            _ Me passo por venenoso, pois na verdade sou inofensivo...

De certa forma também vemos isso no ser humano em suas relações!!!

Não acha?

É só observar para ver que sim, só que no caso o mimetismo não ocorre de forma física e sim de forma verbal, pois o fato de usarmos a comunicação audível nos trás uma maneira mais direta de comunicar e nos relacionar com outros seres, de preferência os da mesma espécie.

E como isso acontece?

Bem, qualquer um já deve ter tido aquele dialogo com alguém, ao discordar, o outro ou até mesmo você virou e disse:

            - Olha como você fala comigo! Não grite comigo!

Ou:

            - Não aponta este dedo pra mim!

Quando na verdade você não gritou! E também nem apontou o dedo!


O que acontece é que a outra pessoa ou até você mesmo, ao ser acuado, perdendo a razão ou se vendo desmentido, parte para defesa e mimetiza já de antemão o que comumente o outro teria o direito de fazer com você, afinal ao ser desmascarado ou até mesmo quando você desmascara alguém isto parece nos dar o direito de erguer o tom! Já sabendo disso então o outro ser, em sua defesa e aos gritos pede pra você não gritar!
 
Talvez a compreensão seja melhor do que a explicação, mas em suma é o que eu chamo de Princípio da contrariedade, funciona da seguinte forma: para defender-se o ser mostra sua fraqueza ao mesmo tempo em que tenta antecipar sua força.



Existem várias outras linhas na qual podemos aplicar o princípio da contrariedade, como por exemplo: para negar a perda de afeto por alguém a pessoa procura trazer a tona fatos passados pra justificar a perda do amor, sendo que o ato levantado em questão foi causado por ela mesma, como a mulher que diz não esquecer que o homem, no período em que se conheceram estava mais interessado em outra mulher do que nela, quando na verdade isso só ocorreu porque ela mesma não mostrou o seu interesse; ou a pessoa que não fala claramente e espera que as atitudes sejam correspondentes aos seus desejos e quando isso não acontece culpa o outro por não ter pensado como ela queria; também pode ocorrer quando a pessoa para não executar um bom trabalho ela responsabiliza o outro pela falta de empenho, ou para não realizar uma tarefa nega ao outro a sua capacidade de realizar.

Podemos encontrar também a contrariedade na incompatibilidade.

É quando a pessoa tenta tornar falsa a argumentação do outro por diferenciar os valores, por exemplo: quando uma pessoa fala de uma sentença passada que agora perde o valor no presente, como dizer:
Acabou meu amor por você!

Então a outra pessoa tenta falar dos valores bons que tiveram na relação e a outra tenta tirar a qualidade destes valores mostrando que ela também valorizou e por estes valores não estarem mais presentes ambos tiveram um sentimento falso!
É a separação que só é falsa, pois na realidade eram verdadeiras!
Como se um fato do passado fosse agora diferente por ter diminuído a quantidade de sentimentos envolvidos. É a paixão que ascende forte e intensamente, mas como qualquer chama sem seu combustível acabou se apagando, ou seja, a quantidade perdeu o valor pela a qualidade.
 

Estar consciente disso cria outros rumos em uma discussão, mais, o mais interessante em tudo isso que vejo é:
Somos todos os seres incumbidos da mesma natureza.



O maior predador que temos somos nós mesmos, por isso agimos de forma contrariada.

Há um bom tempo tive um exemplo disso:
           
Um cliente me ligou falando sobre o serviço que eu tinha realizado em sua residência, quando trabalhava como eletricista, havia trocado os disjuntores, então ele me disse que não tinha feito nada! Que o problema continuou e que ele até chamou outro eletricista e este outro sim havia trocado os disjuntores do relógio e que ai sim resolveu, mas no quadro que eu arrumei ele não mexeu só que agora os chuveiros não estavam funcionando! Como tinha aquecedor não havia ligado ainda! Bom o serviço tinha ocorrido há mais de seis meses e só agora ele me liga! Fui lá e ele com aquele tom soberano, como quem diz: _ culpado do problema é você, já paguei e não pago mais...

Bem, testei a fiação e nenhum dos fios tinha corrente!


Pensei!

Só pode ser disjuntor de novo!

Fui ao quadro e os disjuntores estavam desligados!!!

Foi só ligar!

O cara ficou totalmente sem jeito!

É! As pessoas estão sempre querendo achar que a culpa é do outro! Como já dizia Raul!

E é tão fácil, às vezes, é só olhar pra si mesmo, mas as pessoas querem parecer fortes, sabias e por isso sempre o erro está fora, ao fazer isto todos só demonstram que o erro está dentro, e cometem erros até mesmo grotescos como: não olhar para o quadro de luz!

E mais uma vez o princípio da contrariedade agiu sobre o ser e sem saber o ser age sobre os outros sem se dar conta que o erro está ali bem a sua frente!

Este é o princípio da contrariedade!

Agora que você sabe observe a si mesmo a todo instante, pois em muitos momentos somos tão fracos quanto à contradição de nosso próprio ser.


sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Curtindo... Há Vida Adoidado?


Já observou como as pessoas curtem a vida?

Será que as pessoas sabem mesmo curtir?
           
Eu vejo tantas pessoas dizendo pra mim:
           
- Você precisa sair!
- Você precisa ir pra “balada” se divertir, beber pra relaxar, catar umas minas...


Mas eu olho pra vida dessas pessoas e o que elas vivem?
Aliás, será que elas pelo menos sabem o que é viver?

            A vida não tem mistério nenhum, não existe nada lá fora que te faça viver, pois a vida é simplesmente o fato de você estar existindo, se movimentando e interagindo com o seu próprio existir e com o seu próprio viver, com outras pessoas também, pois sozinho não somos nada. Só temos um nome não por que você precisa de um nome, nenhum ser da floresta, nenhuma outra forma de vida tem nome próprio. Nós chamamos elefante porque é o nome que damos ao ser que é hoje um dos maiores mamíferos da Terra, de orelhas grandes e de trompa..., mas o elefante nem sabe que você o chama assim, é claro se você der um nome ao ser elefante, por exemplo: Escovinha! E toda vez que chamar Escovinha o elefante irá olhar pra você, não porque ele sabe que é o Escovinha, mas sim porque é o som que você emite quando quer interagir com ele. Então este som passa a ser a identidade do elefante, mas a ideia de identidade é apenas uma ideia humana. Da mesma forma temos cada um, um nome, uma ideia de que este nome é a sua identidade, mas de fato é apenas uma palavra usada para interagir com outros seres, por tanto temos um nome por esta necessidade, de interação e até de relação com outros seres, e isso se tornou importante para todos nós, de certa forma temos a necessidade de viver com outros seres, com outros nomes. Portanto temos sim a necessidade de sair de conhecer novas pessoas em outros lugares além de nosso pequeno mundo.
            Até o fato de falarmos e em alguns casos, até com as mãos o ser humano fala, indica que a natureza nos deu esta agilidade por uma necessidade do ser, mas isto é apenas uma ferramenta que colabora com sua existência e de todos os seus semelhantes, mas ainda é preciso saber o que viver o que fazer com esta ferramenta!

            Você sabe como usá-la?
            Sabe mesmo viver?

 
           Quantas pessoas passam horas e horas falando e relatando suas experiências de vida, enchem o peito como se a sua conversa fosse cheia de importância, cheia de sabedoria, mas a maioria dos diálogos não passa de repetições de outras histórias e de fatos já ocorridos. Já observou que depois de uma grande tragédia ou de algum fato importante, seja político ou de natureza artística..., as pessoas vão aos lugares e passam horas debatendo aquele assunto, o assunto do momento. Isto não é errado, não estou dizendo isto, é apenas a visão do que acontece, da realidade em que vivemos, mas o fato é:


            Qual o aproveitamento que se tem de toda conversa?
            O que sobrou daquele dialogo?
           
            Na maioria das vezes as pessoas apenas se elucidam de que, querendo elas ou não, que existem um senso comum, algo como uma verdade a ser seguida, como por exemplo, no caso de um incêndio onde há muitas vítimas, todos acabam observando que faltou um extintor de incêndio que funcionasse no local, ou que normas técnicas de segurança não foram seguidas, como portas de saídas de emergência... Enfim alguém ali e por maioria das vezes todos os demais não observaram, respeitaram e seguiram o senso comum (ou o conhecimento popular) e acabaram sendo vítimas da ignorância dos outros e de sua própria ignorância, pois se estas normas existem, se estas exigências são feitas, é porquê o empirismo da existência humana já comprovou que sem este senso, sem estas obrigações o risco em uma tragédia, as perdas de vidas humanas são bem maiores. E é incrível como que esses fatos ocorrem exatamente onde à consciência de todos falham! Parece até que todos estavam hipnotizados ou em estado de sono profundo ainda que acordados!
            E como as pessoas que estão neste estado de quase total falta de consciência, querem te levar para o mesmo caminho. Pois se você não participar junto com eles desse estado letal e até fatal de semi sono em vida, ainda têm aqueles que querem mesmo é te tirar a consciência, te falando que viver é tomar bebida alcoólica, fumar e até usar drogas!!! Todas estas substâncias que supostamente estão ali sendo servidas e ofertadas a você para uma alegria ilusória, só vão mesmo é te tirar do estado de alerta, te omitir sua consciência e te jogar no mesmo estado letárgico que todos se encontram! E ainda dizem que é você que não sabe “CURTIR” a vida!
 
             Mas o que é curtir?

            Na verdade (e sempre tem a verdade) curtir é saborear, tornar puro, melhor, mais saudável e até fazer com que algo não apodreça. Deixar que algo seja aproveitado e consumido depois de anos que ficou apenas em repouso, em um estado de descobrir a si mesmo; o vinho que se torna mais saboroso, por ter sido deixado lá, quietinho para ser vinho; o couro que foi limpo e exposto ao sol para ser e ficar sendo apenas mais perene em ser couro...



            E por que só no ser humano o sentido de curtir esta ao contrário?
           
            É ao contrário, por que ninguém pára pra ouvir a si mesmo?
            Porque todos estão sempre agitados e falando sem parar como se estivesse usando uma máquina de fabricar frases automáticas, sem um raciocínio profundo, sem o que deveria ser o senso de todos nós.

            Algumas pessoas dizem para não responder uma pergunta com outra pergunta..., por que isto?
            Será o medo de se aprofundar!!!
           
            Pra piorar a situação criaram e ofertam de graça a fórmula mágica do grande segredo para não cair com a mente no abismo, chama-se: “A verdade de cada um”.
           
            Bem, lá vem o ser humano com mais contrariedade, se há somente a verdade de cada um por que então se reunir e ficar falando e repetindo o assunto do momento quando até por uma consciência coletiva que todos de certa forma já têm, se descobrem que os fatos daquela tragédia só ocorreram por que faltou seguir o senso! E um senso tão comum que até por lei está escrito e identificado que todos devem interagir com aquele modo de proceder, como nosso elefante Escovinha! Basta dizer: - Escovinha! E ele já olha. Não seria o caso de qualquer ser humano olhar e ver:

            - Cadê as portas de emergência!

            Antes mesmo de qualquer tragédia, pois se já temos uma lei, uma identidade é para que todos possam olhar, ou será que só o Escovinha sabe fazer isso?

            Tem uma razão até razoável para o ser humano fazer isso!

            Já imaginou que alguém pudesse simplesmente conquistar multidões apenas com suas palavras?
           
            Este alguém é como se fosse o Dono da Escovinha! Já que você o chamou, melhor dizendo: Deu ao ser uma identidade, passa a ser de sua OBRIGAÇÃO cuidar e olhar para o Escovinha, você que sabe, que tem a palavra a ser ouvida e seguida, tem que interagir e agir em beneficio de todos! Uma forma de poder e obrigação que só o Dono do Escovinha tem agora, mas como ninguém quer ser responsável por algo tão grande, como um elefante, esta obrigação é só então do chamado poder público, que nada mais é que a nomeação dentro de uma sociedade, daqueles que por fazerem a lei têm então a obrigação de exigir seu cumprimento.

            Mais já que cada um quer ter a sua liberdade, de fazer a sua verdade, será que esta só funciona quando a verdade de cada um for uma verdade para todos?

            Como podemos esperar que só o poder público seja verdadeiramente cumprido se nós não interagirmos com ele!

            Sem essa de dormir em vida e achar que dormindo é que se vive!

            O que é pior é que todos ao interagir em estado de sono não conseguem uma das maiores buscas que perturba quase toda humanidade: Amar!

            Todos se tocam, se relacionam fazem até sexo, mas não amam!
           
            Sabe por quê?
           
            Por que ninguém quer ser tocado na sua verdade (própria). Podem usar o corpo, dar o que chamam de prazer ao outro, mas não podem se amarem, pois o real sentido do amor é a entrega e ninguém quer receber da vida algo estragado; algo que não foi curtido direito; ninguém quer beber o vinho que de tão agitado estragou e não serve nem pra vinagre, ninguém quer vestir o couro com cheiro de carniça, com o odor de animal sujo!

Então eu me pergunto?

Aonde é que eu realmente posso ir para verdadeiramente curtir a vida?

Alguém que ler isso pode me dizer onde?
           
Por enquanto estou curtindo a vida. Dentro de mim mesmo!

            Ahh! Já ia me esquecendo: Continuem Adoidados! Se é que isso é vida!