domingo, 13 de outubro de 2013

Há Razão Pela Razão?


           Á razão é capacidade que temos de chegar a conclusões lógicas, de julgar e/ou avaliar algo, de compreender ou entender o que é direito correto ou até mesmo estabelecer critérios para a realização de algo, estabelecer normas ou padrões pra uma melhor comunicação entre os seres e até de seus afazeres...  Enfim a razão envolve tudo que nos cerca e a nós mesmos, sejam estabelecendo normas de bom senso prudência, justificando ações ou nossos pontos de vista, nossas argumentações estabelecendo coerência em nossas relações.
           
            Em outras eras quando o ser humano ainda em sua faze primitiva tinham a razão como um senso coletivo, onde de certa forma todos acabavam concordando com seus lideres as suas idéias que embora a razão não fosse tão clara a concordância entre todos davam a mesma o intuito de validade.

          Como estabelecer que deva haver um sacrifício pra que pudesse chover ou que um determinado ritual lhe desse uma comunicação direta com seres superiores para ter por enfim o direito do ser á razão!

            E assim uma das formas de poder entre o ser humano passou a ser o uso da razão mesmo essa não sendo usada como uma ferramenta para o crescimento das relações humanas, apenas como um instrumento dogmático ou até mesmo gerador de paradigmas, mas com a evolução industrial o crescimento e conhecimento em todas as áreas, sejam na área cientifica, tecnológicos, humanas ou exatas etc. a razão se mostrou uma ferramenta com um poder de construção até então inimaginável pelo homem, como a comunicação a longa distancia, transmissão de imagens o conhecimento e o uso da eletricidade... O homem alcançou um conhecimento grande e notório a sua volta o que levou o uso da razão a um patamar mais satisfatório e com isso a razão como instrumento para o aperfeiçoamento do próprio ser tem sido empregado em diversas áreas.
           
            Muito tem sido discutido sobre as formas de ser do próprio ser e a razão neste aspecto tem sido deixada de lado pelo simples fato do individualismo, que tem se empregado em nossa sociedade, sendo usado como forma de legalizar qualquer forma de ser, já que a forma só afeta o próprio ser.

            Mas e a razão de ser?

            Será mesmo que qualquer forma de ser é uma forma dita pela razão de ser, seja ela qual for?

            Há razão em ser. como vemos em certos seres, de realmente ser?

            A razão no aspecto humano tem avançado muito lenta e vagarosamente com relação ao próprio ser humano e isso tem sido deixado para aqueles que por algum motivo parece ter perdido a razão!

            É o caso de certas doenças como a depressão que nada mais é do que o ser que foi afetado nas suas razões, de ser ou até mesmo só de pensar, quando o ser vê que suas razões não o elevaram aos patamares mais satisfatórios para com sua vivência e assim o ser afetado em sua razão cai em depressão que podemos traduzir como a perda da força, da pressão que antes exercia para sua vivencia.

            Podemos dizer que a razão sendo empregada em nosso viver nos tiraria dessa característica que parece ser tão importante na atualidade que é a liberdade e nos confinaria a tal forma de ser que tudo deveria funcionar como a operação de uma maquina, onde tal ordem ou comando realizaria um trabalho ou operaria de tal forma que o resultado no caso seria sempre o mesmo, como um trabalho mecânico que ao ser realizado resultaria na concepção de um produto ou um trabalho realizado. Sendo assim a razão nos daria sempre o evento para o qual a empregamos, como por exemplo, o querer ser feliz!

            Mas como empregar a razão para sermos felizes?
           
            Mais do que um instrumento, a razão é o próprio mecanismo na construção de algo, seja algo físico, como um carro, por exemplo, onde cada peça se encontra no seu devido lugar e assim a mecânica de um carro esta apta a funcionar dentro da concepção de ser um carro. Assim também a razão é o mecanismo para construção de nosso ser, por isso para termos uma profissão precisamos adaptar nosso ser e até mesmo nossa razão para ser um profissional, como um médico, por exemplo, a sua razão de tão adaptada a avaliar doenças ao relatarmos uma dor em alguma parte do corpo, sua mecânica, a razão, já logo avalia tal dor e conhece a forma de sanar tal problema.

            Da mesma forma se buscarmos conhecer pela razão a própria razão de nossos atos e de nossos anseios teremos então uma resposta da nossa própria razão para sermos quem somos.

            Mas o grande problema é quando agimos pelas paixões e tentamos usar a razão para justificá-las, dando um exemplo: Uma pessoa em uma manifestação popular ao quebrar uma lixeira comete uma atitude levada pela rebelia de sua paixão no momento, mas qual a razão de se quebrar uma lixeira?

            Certamente não há razão que consiga explicar tal ato, mas sem o uso da razão passamos a agir sem o conhecimento de nós mesmos, o ser humano muito antes do emprego da razão agia levado pela emoção e este por um mecanismo de defesa ao próprio ser sempre da uma resposta rápida sem uma avalia prévia, como um ato de agressão, por exemplo, agredir ou apenas demonstrar agressividade é para os animais um mecanismo de defesa, é usar a força para demonstrar força, não que o ser queira realmente agredir, apenas demonstra que em tal situação é assim que ele vai agir. Então como um animal que opera sem razão apenas movido pela paixão o ser humano manifesta sua agressividade e quebra uma lixeira pra mostrar que ele é capaz de quebrar a ordem existente, de burlar o que é correto para ter a atenção.

            O córtex cerebral pré-frontal, região do cérebro responsável pelo processamento lógico, surgiu relativamente tarde na evolução da espécie humana. Já as emoções e os instintos são heranças de nossos ancestrais há muito mais tempo. Por isso elas são tão fortes e nos influenciam tanto. "A filosofia considera o ser humano um animal racional. Mas o que sabemos é que apenas em certas circunstâncias e à custa de muito esforço conseguimos ser racionais", afirma Vitor Haase, médico e professor de psicologia da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

            Por isso o emprego da razão muitas vezes é tardio e só se manifesta depois de nossos erros de julgamentos e em muitos casos julgamos como prioridade nossas necessidades para depois tomarmos uma decisão sobre algo. Um exemplo disso é a pesquisa realizada por pesquisadores das universidades de Bem Gurion, em Israel, e Columbia, nos Estados Unidos, eles analisaram o comportamento de juízes que deveriam decidir sobre a liberdade condicional de presos (um processo rápido, que leva 6 minutos). Em média, somente 35% dos condenados ganhavam a condicional. Mas os cientistas perceberam que os juízes eram muito mais benevolentes depois de comer. Quando eles tinham acabado de fazer uma refeição, a taxa de aprovação subia para 65%. Com o passar do tempo, a fome vinha chegando, e a concessão de liberdade condicional ia caindo. Minutos antes do próximo lanche, o índice de aprovação era quase zero. Ou seja, mesmo em tomadas de decisões que deveriam ser imparciais a razão prioriza as suas necessidades e quando não são cumpridas as decisões são tomadas como uma manifestação rebelde de força semelhante ao caso da lixeira, uma demonstração de poder por não ter sua própria necessidade saciada.

            Assim o emprego da razão é mais lenta do que o emprego dos instintos e nossa avaliação lenta é sempre mais lógica e precisa enquanto a avaliação rápida é mais instintiva e até irresponsável perante a razão.
            Então construímos este mundo a nossa volta com o emprego da razão, mas para nós mesmos deixamos a razão de lado e priorizamos as respostas instintivas e baseadas em nossas experiências pessoais.

            Como no caso de uma pessoa ao passar por um trauma sempre age com agressividade a se ver em situação semelhante ao seu trauma, como uma resposta instintiva para não reviver a mesma circunstância ela acaba agindo instintivamente ao que lhe parece ser um novo trauma, mas sem o emprego da razão ela pode estar agredindo justamente quem quer lhe ajudar.

            Há razão para tal?

            Bem, por isso a pergunta é: Há razão pela razão?

            Sim há!
Mas é preciso saber em qual momento esta se empregando a razão ou apenas agindo com o lado mais primitivo de nossa mente, com certeza o bom uso da razão sobre nós mesmos ainda não foi totalmente assimilado por nossa natureza e, portanto não somos tão racionais assim na construção de nosso próprio ser.


            Vemos então que o esforço para sermos racionais e usarmos a mecânica da razão sobre nós é um esforço que exige treinamento diário, é como ter que ir a academia para exercitar o corpo, precisamos constantemente ir para dentro de nós mesmos e exercitarmos a razão, não somente para justificar nosso repudio a lixeira e produzir mais lixo, em nossa mente, só pra parecer ter razão ou simplesmente reprovar a condição do próximo para poder saciar nossa fome, mas sim usarmos a razão pelo simples fato de ser ela a razão dona de nosso ser e com esta, criarmos a mecânica para termos na vida o que realmente queremos.


            A felicidade só é verdadeira quando Há Razão para sermos felizes.