domingo, 22 de dezembro de 2013

O Que é Justiça!

           Não entendo o senso de justiça de hoje!

            Vejo em jornais e televisão as pessoas falando assim:

            - Ele tem que ser preso, pois representa um perigo a sociedade!

            Ou quando o sujeito depois de cumprir pena ao sair da prisão se houve dizer:

            - Ele está apto a voltar pra sociedade!

            Afinal... Alguém deve ser julgado pelo crime que comete, não pelo perigo de cometer novamente outro crime! É o que eu costumo chamar de vil violência. (http://reflexhuman.blogspot.com.br/2009/01/vil-violncia.html ) Cada um só se importa com o seu problema e até na hora de se fazer justiça isto aparece. Ouve-se o relato do crime, busca-se revelar os fatos e então quem ouve não olha por quem sofreu e sim para si mesmo, para o perigo que  se tem com aquele que está sendo julgado, pode fazer para consigo e com os seus o mesmo mal!
            Isto não é justiça!
            É apenas medo!
            E por medo as pessoas não enfrentam o delito como deveria ser enfrentado.

O símbolo da justiça é justamente uma balança e significa que há uma medida a ser cumprida e um peso a ser seguido, isto quer dizer que se você ou seu semelhante não seguir certas medidas, tira-se a medida e do outro lado sobra-se um peso a cair, este peso é a justiça, mas a sociedade parece que anda invertendo o sentido do real símbolo da justiça, pois se coloca medidas e o peso só é sentido por aquele que foi injustiçado!
            A justiça também era cega, mas ultimamente ela anda enxergando até o que não devia, por exemplo: Um jornalista ao cometer um crime deveria sentir o mesmo peso da justiça de um faxineiro que cometeu o mesmo crime, Porém o que se vê é que o jornalista diferente do faxineiro tem muitos privilégios até na hora de cumprir pena, prisão especial, cela diferenciada...

            O fato de ter um diploma, até mesmo um diploma que não é mais uma exigência da profissão, lhe garante uma melhor atenção, um cafezinho durante o julgamento e tudo mais. É como se a justiça que antes era cega agora enxerga que um diploma é como um cartão de crédito especial, ao ter um diploma você recebe um tratamento vip pela justiça e mesmo sendo condenado, ainda sim tem seus privilégios!

             O símbolo da justiça também trás uma mulher que antes ficava sentada, agora parece que não consegue mais sentar ao ver tantas leis que não funcionam como mecanismos da própria lei, e sim como uma mecânica anti à lei. Como o fato de um réu não poder produzir provas contra si mesmo, parece uma lei justa, mas se o réu está sendo julgado é porque algo por mais distante que seja há de suspeitar que foi este o agente de algum mal realizado, portanto qualquer prova que o próprio réu pode produzir é posterior ao crime que está sendo julgado e esta prova só atribui um valor contra o réu se a contra prova produzida por ele tiver valor diferente da prova. Isto que dizer que só pode ser considerado prova se houver valor igual e sendo de valor igual é uma prova contra ele mesmo, mas a justiça, pelo menos a do Brasil, não pode colher a contra prova já que esta antes mesmo de ser colhida e verificada com os fatos, já é considerada contra o réu. Dai então a justiça fica de pé andando de um lado para outro sem saber como julgar já que a própria lei é contra a mecânica da própria lei, e a justiça tem que queimar calorias sem poder andar no tempo real dos fatos.    

            A justiça também tem em sua mão direita a espada que antes representava a coragem, a ordem e a força necessária para que a justiça seja realizada, mas hoje em dia a espada da justiça mal serve para partir o pão, talvez funcione para passar margarina em certas mãos e deixar deslizar a ordem e a força contra aqueles que são injustiçados e a espada, assim como uma corda, acaba cortando somente para o lado mais fraco.

            Justiça é na verdade o direito que todos devem ter ao ser justo, que de certa forma significa ser firme, seguro, confiável como quando calçamos um sapato que se for folgado demais torna-se desconfortável e se for apertado demais torna-se inconveniente usá-lo, em ambos os casos o uso de um sapato apertado ou folgado pode nos machucar, criar feridas!

            Assim para que algo seja bom para todos é preciso ser justo para cada um de nós, ou seja: equilibrado e adequado ao nosso ser e desta forma a justiça deve proteger e pleitear por aqueles que andam adequadamente, comportando, respeitando e obedecendo as convenções que foram criadas para que cada um de nós possa ter os mesmos direitos obrigações e deveres uns com os outros. Portanto a Justiça é a convenção que existe dentro de uma sociedade onde todos são realmente vistos como iguais.

            Porém, as leis com as quais são feitas tais convenções acabam se chocando com o próprio excesso de convenções que vão sendo criados ao longo do tempo, numa tentativa de igualar todo e qualquer julgamento não se faz um julgamento e sim apenas uma tentativa de criar uma mecânica que substitua o próprio julgamento.

            Como num caso que passei há quase dois anos atrás onde por lei eu poderia exigir uma indenização de até 10 salários mínimos!

            Acontece que no julgamento o réu não compareceu e a juíza estabeleceu por sua própria convenção a culpa do réu, só que ao estabelecer a culpa em seu próprio julgamento ela considerou a multa de 10 salários mínimos como uma tentativa de enriquecimento ilícito sendo que ao invés de questionar os fatos, caso que não ocorreu, pois o réu não estava presente, ela simplesmente acabou estabelecendo uma multa que não chega a 10 % do valor exigido por mim.

            Bem! Antes de qualquer coisa o que eu entendo por justiça é:

            Independente de qual seja o crime ou o ato litigioso se a lei me permiti uma pena máxima, seja ela qual for, é claro que eu vou exigir a pena máxima para o réu, cabe ao julgamento estabelecer se a pena aplicada será a maior ou menor em questão, mas como é comum seguir uma ordem quase que mecânica de raciocínio e a juíza nem se quer me perguntou quais foram os motivos de eu ter exigido tamanha punição e sem um por quê deduziu tal punição. sem ao menos me questionar, ela já me disse que se eu não estivesse satisfeito deveria entrar com recurso!!!

            Hora! Contra quem?

            Só se eu entrasse com recurso contra a própria justiça que sem a presença do réu julga os fatos sem conhecimento dos mesmos!

             Em todo o caso eu ainda não recebi nem o meu dinheiro e muito menos a multa de 10 %. O que indica que o réu conhecendo a forma mecânica com que trabalha a justiça de hoje, não se preocupa em sua própria defesa já que este está ciente de sua punição, e assim ao não comparecer tem a grande vantagem de também não indenizar os danos causados pelo mesmo, já que a justiça não julga os fatos através do conhecimento dos mesmos e muito menos o obrigou a indenizar de forma a punir o ato litigioso.

            Sendo assim o que é Justiça deixa de ser justo correto e integro para com todos e passa a ser só um trabalho mecânico onde as ações tomadas só respeitam uma ordem de raciocínio sem o conhecimento do que de fato é e quais são aqueles que estão realmente trabalhando com a ferramenta da justiça, apenas se encaixa uma peça em tal lugar e se esquece de entender se tal peça realmente serve para a mecânica exigida no trabalho a ser realizado.

            O que vejo então que a tentativa de ser justo nos leva a crer que uma punição vai ser aplicada então mesmo vendo a justiça quem é o réu não age em sua defesa, puni-se então o requerente da ação!
            Há dessa forma uma perda da punição que nunca é aplicada se o réu se cala diante do seu próprio julgamento.
           
            O peso da balança fica então maior pra quem está buscando a justiça e os que não respeitam as leis e convenções de nossa sociedade acabam de certa maneira vivendo dentro da sociedade como um câncer que cresce a cada dia sem ordem e sem limites e se vê alimentado pela própria sociedade que numa tentativa de proteger os direitos de todos não pune a todos com o devido peso que deveria ser sentido.

            Assim como um câncer que precisa ser combatido com o mal, seja ele quimioterápico ou radiativo, e depois removido do ser (sociedade) a justiça deveria agir para que nenhuma célula de nossa sociedade se veja livre para desobedecer às convenções e fazer por si mesma a sua multiplicação mesmo que para isso sofra todo o corpo da sociedade, afinal a quimioterapia ou a radiologia afeta todo o organismo, todos devem ser afetados para que este tumor que é a justiça de hoje não seja uma mamãe boazinha que pra não prejudicar seus filhos deixa os mais ousados livres para continuarem a serem ousados e se safem da pena máxima que é a punição realmente sega e a remoção pesada deste tumor que se tornou a justiça do bem com todos nós, até com os injustos!

Comente com o Facebook: