sábado, 16 de março de 2013

O Universo dos Fatos.

            - Já observou que as alegrias são sempre causas e as tristezas são sempre fatos?

            Quando queremos ser felizes buscamos sempre causar essa felicidade, seja indo á um parque de diversão, restaurante, um encontro enamorado, casa de um parente, uma festa... Mas as tristezas surgem sem nossa permissão!

            Isto porque as tristezas não estão sobre o nosso domínio, é claro que há coisas que acontecem quando nós mesmos causamos, porém sempre buscamos os fatos que nos torna felizes, seja porque queremos ou até para tentar esquecer as tristezas.

            Em nosso Universo cada um de nós pode até mesmo ver o mesmo filme e ter opiniões diferentes sobre o mesmo filme, só que o filme é um fato que está gravado. Você pode até mesmo ver novamente e reexaminar sua opinião seus sentimentos e buscar entender e aproximar sua opinião com a de outra pessoa, afinal o filme esta ali, gravado! Porém em nosso dia-a-dia os momentos que vivemos não são gravados totalmente em nossa memória.

            As Pessoas podem até ver o mesmo fato e ter opiniões diferentes sobre as ações que participaram do mesmo evento...

            Vejo hoje em dia muita gente falando sobre:

A Verdade de Cada um!

Como se para um mesmo fato pudesse haver centenas de milhares de verdades diferentes!

Seria como se cada um de nós víssemos o mesmo filme e para cada um o filme é diferente!

Hora!

Fatos são fatos, podemos até ter opiniões diferentes sobre eles, mas os fatos são como dizem:

- Uma Fatalidade!

Isso não caracteriza um evento qualquer como sendo bom ou ruim, uma partida de futebol, por exemplo, uma jogador pode cometer um erro de fazer um gol contra, que pode ser ruim pra ele, mas bom para o time adversário, podemos dizer que não há como retornar no tempo e mudar esta fatalidade, só podemos mudar a visão interna de como realmente foi o ocorrido, embora o que caracteriza o fato não é nossa opinião sobre ele e de fato os fatos que já ocorreram não estão mais sobre nosso controle, sendo assim nossa opinião pode até ser diferente, mas é preciso entender que os fatos podem até tirar vidas, como no caso de um “acidente fatal” e ainda sim não é o fato, o ato ou o ser responsável por causá-lo, embora sua visão possa lhe dar uma expectativa diferente do fato.

Então onde ficam as verdades qualitativas sobre os fatos?

Elas estão sobre o nosso modo de julgar os fatos!

Temos o pressuposto: livre arbítrio, que nos permite julgar cada momento de forma diferente só que isto é apenas uma característica que temos o que não significa que sabemos ou julgamos os fatos de maneira imparcial.

É totalmente natural e humano que cada um perante o mesmo fato tente se proteger a ser diminuído em seu ser por um fato!

Um bandido ao ser preso mesmo que tenha sido filmado vai tentar explicar e dar sua versão sobre o fato ocorrido, vai de alguma maneira tentar diminuir sua culpa e, portanto vai querer mudar a realidade daquilo que realmente se vê em uma filmagem, ou seja: Vai querer impor uma verdade que não vemos!

Há de se entender então que o pressuposto dito: Verdade de cada um... Não passa de uma tentativa, embora mentirosa, de querer mudar o contexto dos fatos!

Por que isso acontece?

Bom, este nosso Universo é totalmente novo para nossa antiga psique!

Em 1895 foi o ano que a humanidade conheceu as primeiras filmagens. Até então nossa mente era a única forma de registro que tínhamos dos fatos e mesmo assim, com a possibilidade de filmar, a humanidade teve dificuldades de entender as primeiras filmagens feitas, pois a câmera era uma só e os filmes não tinham som!


Este é um mundo totalmente novo para a mente humana, e como vimos em “As Poderosas Forças do Poder” nós temos um senso muito forte de proteção ao novo e nossa mente ainda não esta apta a participar deste mundo de forma automática. A absolvição de paradigmas é ainda a maneira mais rápida que temos para um novo aprendizado, portanto quando debatemos com alguém sobre um fato mesmo sendo este um filme, ao demonstrar uma visão diferente é natural do ser tentar se proteger ou até mesmo absorver a ideia do outro da mesma forma como se faz em um paradigma, mas a opinião do outro pode ser um engano ou até mesmo não estar dentro do aspecto mais comum que temos em nosso julgamento, surge então à ideia de que “há uma verdade em cada um”, mas como pode haver diversas verdades de um mesmo fato?

Na realidade não existe a tal falada “verdade de cada um” e sim o caráter de cada um, a forma que a mente de cada ser tem sobre a percepção do que ocorre pode ser diferente, porém a maneira com que se vê um fato não será capaz de mudá-lo.

Só muito recentemente, neste novo mundo que temos, podemos ver que os fatos estão fixos no tempo passado, a forma com que reagimos, formamos nossa opinião e observamos é totalmente ineficaz e sem poder nenhum de mudá-los.

Por isso, hoje estamos vendo esta nova realidade, de não podemos mais mudar o passado!

Anteriormente podíamos relatar os fatos ao nosso bel “livre arbítrio” e fazer dele a imagem que bem queremos, como dizer ser inocente de um crime e tentar convencer os outros de nossa inocência, só que como podemos ver não é o nosso relato que vai nos tirar da responsabilidade de encarar os fatos, e estamos vivendo isso a todo instante. Por isso em nossa era atual a humanidade tem tantos problemas psicológicos e síndromes doentias em seus próprios sentimentos. Antes era fácil mentir pra si mesmo, fingir sentimentos e mascarar os fatos, quando o ser humano vivia em tribos, o fato de se deslocarem de um lugar para outro lhe trouxera o conforto de uma nova realidade, outros lugares, outras coisas a serem feitas, outros fatos envolvidos, seres que antes tinham participado do nosso convívio eram deixados para trás e falar deles sem nenhum apego a realidade era bem fácil. Podia-se dizer qualquer coisa e ter isso como verdade ou não, não atrapalhava nos afazeres do grupo e então nossos antepassados não tinham depressões, insônia, o que antes era pra ser algo natural, como dormir, hoje é preciso buscar remédios para isso.

Nós vivemos agora em cidades, em lares fixos e temos em nossas gavetas as imagens de pessoas que participaram do nosso passado, muitas vezes, temos gravados por imagens fixas paradas no tempo, como também em vídeos e até em nossas lembranças, fatos ocorridos em um determinado local e os objetos com qual vivemos que participaram dos fatos, por isso sofremos mais e nos angustiamos com mais intensidade neste nosso novo mundo e mesmo que tentemos criar barreiras de proteção como dizer:

- Esta é a sua verdade e não a minha verdade!

Não tem saída! A verdade de cada um é na realidade a mentira que todos nós queremos usar, para nos proteger daquela grande e cruel e fadada única verdade que o tempo e os fatos deixam sumariamente gravados neles.

Podemos tentar fingir e até achar que temos o arbítrio de julgar de forma individual e totalmente independente, mas isso era o nosso engodo do mundo passado, neste mundo este engodo não nos serve mais e temos então que encarar os fatos e viver com eles por mais que eles nos afoguem em angustias e lagrimas.

Assim como só há um caminho real e verdadeiro ao olharmos para os fatos, existe outro caminho real e verdadeiro ao olharmos para o futuro:

- Este Universo é também o Universo das causas!

Portanto e só o agora é que esta em nosso controle, e viver o agora é programar nossa viagem para o futuro, assim como programamos um passeio no parque, um jantar a dois, um encontro, podemos até programar o que queremos ver deste mundo dos fatos, seja um filme romântico, de aventura ou algo que nos traga um conhecimento maior, nossas alegrias são as únicas forças que temos ainda o direito de causá-las.

Então temos que saber aceitar os fatos, sejam eles bons ou ruins, não importa o que de fato já te ocorreu, ou se você é ou não responsável por eles, não adianta repensar os fatos para tentar muda-los você nunca irá conseguir mudar o que lhe ocorreu, somente o seu julgamento sobre o que ocorreu é o que pode ser mudado, então vamos causar nossas alegrias, nossas felicidades, cause o amor que você quer, cause aquilo que você tanto deseja e tenha no passado a paz de que está tudo já consumado, intacto, sem nenhuma interferência de quem você é agora, por que tudo que passou, passou, agora viva para as causas sem o efeito borboleta, pois se lá atrás o bater das asas pode causar um furacão, aprenda então a pousar na primeira flor que você vê, ficando em paz, e saiba que daqui a pouquinho você vai poder voar novamente sem causar nenhum mal para os outros e principalmente para si mesmo ai de fato os fatos serão sempre por uma boa causa.

quarta-feira, 13 de março de 2013

Sob o Poder do Amor!

Você acredita em destino?

Muitas pessoas acreditam até que encontrar o seu amado é uma questão de destino!

Mas de onde vem esta ideia de que há um destino para cada um de nós?

            No mundo cristão, talvez a ideia venha de uma má interpretação do Apocalipse, onde se diz que tudo esta escrito no livro da vida! É preciso lembrar que na visão que o apostolo João teve estava no fim dos tempos, ou seja:

            No Futuro!

            Portanto se pudéssemos nos deslocar para o futuro todos os fatos do passado podem ser relatados com a certeza que eles já ocorreram, mas isso não significa que tudo irá ocorrer exatamente como se tudo já estivesse sido escrito, pois estamos vivendo no agora e não no futuro. Para exemplificar:


           Suponhamos que eu possa viajar para o futuro e ver a copa do mundo que ocorrerá no ano que vem. Bom, posso dizer então que sei os resultados dos jogos, mas isso porque eu estive no futuro, ao voltar para o presente eu não posso dizer que sei quem ganhou o jogo, pois minha memória do futuro só existe no próprio futuro, ao voltar para o passado não dá pra trazer o futuro, da mesma forma que ao ir para o futuro não posso levar a lembrança do tempo que passou durante a viagem, afinal estava viajando no tempo e, portanto o tempo passado não tem registro na minha memória.

            Mesmo para os Gregos havia a ideia de três figuras mitológicas que traçavam os destinos das pessoas, eram as Moiras que praticamente teciam o futuro num tear!!!

            Mas não há destino!
           
            Apenas a ideia que nos destinamos para ser, fazer ou estar é o que há realmente.

            Por exemplo:



            Tudo que foi criado por nós humanos foi gerado de nossa imaginação, até as nossas idéias são baseadas em idéias passadas que trazemos para o presente e com elas projetamos nosso futuro.

            Imaginar fazer uma viagem é a projeção de ir para outro lugar e conseqüentemente outro tempo, mas isso não significa que existia um poder divino além de nossa própria consciência ou algo superior em nós que nos obrigou a viajar, apenas nossa própria vontade ou até mesmo uma necessidade nos levou a isso. Então existe um futuro que está determinado por uma viagem, embora não podemos conhecer sem viajar pelo espaço e pelo tempo.

            É possível determinar isso em nossas vidas, porém tal determinação vem de nós mesmos.

            Portanto não nascemos para sermos par de seja quem for ou algo obriga-nos a ter um sentimento por alguém, somente nossa própria vontade é capaz de fazer par com outra vontade, então não existe uma obrigação que nos faz amar ou nos domina, somente nós mesmos é que dominamos quem ou o quê amar!

            Se as vontades se combinam então por que não amar por estar em redundância com outro ser?

            É como tocar uma nota e a nota correspondente soa também por estar no mesmo espaço e no mesmo tempo.

             Há muito tempo à humanidade tem criado a ideia de que algo superior a nós nos coloca na obrigação de fazer algo, até mesmo contra nossa vontade. Isso se deve ao fato de vivermos em grupos e viver em grupo exige a presença de uma liderança, de alguém que comande e coloque cada ser em seu devido lugar (veja as Poderosas Forças do Poder), ou seja:

            Ainda somos seres dominados pelo nosso ser animal, embora nós achemos ligados a algo superior a nós mesmos que talvez exista ou não, o que é interessante é a descoberta no mundo filosófico de certa ordem que realmente domina a tudo!

            O principio Áureo, ou proporção de ouro, divina proporção... Enfim são diversos nomes, mas a proporção áurea é um valor que se repete em tudo, desde nosso DNA até os objetos celestes, este valor está presente em todas as coisas geradas pela natureza.

            Podemos dizer que este é um fator que coloca as coisas realmente em seu devido lugar, onde qualquer coisa por menor que seja faz parte de algo maior que tudo.
           
            Podemos dizer que se amamos alguém é porque algo maior pode estar por vir deste sentimento, mas é preciso tomar cuidado para não agirmos somente por este ou aquele desejo, como podemos ver em: Sobre o Poder do Amor.  Este sentimento para ser bem vivido é preciso encontrar sua totalidade, aprender a destinar seus desejos para aquilo que você realmente quer isso pode até te levar para o encontro do equilíbrio perfeito com o cosmo, sendo assim você poderá viver Sob o Poder do Amor. Quando houver a maior das descobertas do ser, que é se entregar para ser, se estiver realmente em seu lugar, então poderá viver somente guiado pelo amor, mas antes é preciso governar esta força por que assim como o ódio o amor também pode nos fazer mal, se mal governado. O ódio é o sentimento muito parecido com o amor!


Duvida então olhe:

Quando __________ queremos atingir o outro com nosso sentimento.

Quando __________ brigamos por que a pessoa parece não entender, então falamos alto, discutimos...

Quando __________ queremos corrigir!

Quando __________ implicamos com os atos...

            Enfim! Preencha com “amamos” ou “odiamos” que vai dar o mesmo sentido!

            Mas assim como os animais também governamos nosso ódio!

            Os animais fazem isso o tempo todo! Ao sentir ódio eles mostram os dentes, tentam parecer maiores, até agridem (Veja em: Principio da Contrariedade), mas apenas para mostrar a sua força e então controlam seu ódio para não passar do limite, da mesma forma deveríamos saber governar o amor, mostrando ao outro nossas intenções, nossos verdadeiros anseios em uma relação, o que queremos, quem realmente somos, pois sem fazer isso corremos o risco de até agredir o outro com nosso amor, fazendo com que um sentimento surja embora não haja uma real intenção de uma ligação maior, então sem limites e sem o nosso governo o amor pode ser apenas paixão ou somente um desejo erótico ou até mesmo uma amizade que temos e queremos bem ao outro, sem a necessidade de tocar ou possuir.


            Governar o amor exige sabedoria e até um grande estudo de si mesmo, mas vale à pena, pois a maior parte de nossas vidas e de nosso desejo está em amar e ser amado. Se você passa seis anos em uma faculdade para ter uma profissão, por que não investir seu tempo livre para estudar sobre quem você está sendo pra você mesmo, e quem sabe um dia se aposentar com a mais doce e adorada paz que podemos sentir quando estivermos Sob o Poder do Amor!

quinta-feira, 7 de março de 2013

Sobre O Poder do Amor


            Por que amamos e o que é o amor?

            Todos os seres amam!

Isto fica claro no comportamento de todos os animais, e até as plantas também amam!

Sim as plantas amam!

            Quais os motivos de uma planta produzir um liquido açucarado para atrair a abelha?

            A ciência poderia dizer que é uma questão de sobrevivência, para reproduzir as plantas desenvolvem certos frutos para atrair a atenção de outros animais e auxilia-las na fecundação ou até na distribuição de sementes...

Neste mundo da ciência tudo parece ter uma aplicação prática, simples e racional, mas como todos os seres são tão racionais assim?

Se tudo é uma questão de sobrevivência como entregar á outro ser uma questão que é sua?

            A palavra amor tem muitos significados em diversas línguas e também já foi motivo de estudos de diversos filósofos, talvez o significado desta palavra tenha um sentido maior em hebraico. Não que tenha uma única palavra para o amor, mas a junção de três palavras: Raya, Ahava e Dod!

Raya: Raya se traduz literalmente como “amigo“ ou “companheiro“, alguém que lhe faz companhia. Pode até ser traduzido como o termo “alma gêmea”. As pessoas dizem coisas como: “Ela é minha melhor amiga” ou “Posso contar tudo para ele”. É a companhia que queremos para a jornada de nossa vida, esta deve ser especial, deve ser o nosso melhor amigo (a), mas só isso ainda não é o amor.

Ahava: Ahava é um afeto profundo, o desejo de estar tanto com alguém que dói no seu coração. “Ahava” é quando sua mente e seu coração se voltam para o seu amante com tal paixão e intensidade que você não pensa em mais nada. É descrito como mais forte do que a morte no livro dos Cânticos 8.7. Mas isso por si só também não é o amor!

Dod: Dod pode ser traduzido literalmente como “farrear, abalar, ou ameigar” é a paixão. É o estágio da união de corações, do romantismo das carícias mútuas, da atração física, da satisfação e do prazer consumado. É a união erótica que muitas vezes é visto como o amor, mas é apenas um estagio do amor.

A união de todos os estágios pode explicar melhor o que é o amor, se na falta de um, os outros tendem a falhar, é como o fogo que para ser aceso precisa de calor, oxigênio e ar. A falta de um desses elementos faz com que tudo fique neutro, sem passar pela ação transformadora do fogo. Eu diria que tudo isso só é possível se houver a Entrega!

É preciso empenhar o seu ser para ser o combustível, para aceitar a transformação, para respirá-la de tal maneira que na falta de um é como o sufoco de todos os elementos.

            E por isso uma planta ao ser amiga da abelha lhe produz o néctar, a abelha por seu afeto profundo procura a sua planta predileta e nesta busca mutua entre um e outro surge as caricias um para com outro, vivendo em harmonia e reproduzindo a chama da vida.

            O amor então não deve ser visto ou buscado apenas na simplicidade de um estagio e sim no complemento de um todo. Nós seres humanos sempre buscamos minimizar o todo para compreender como se o amor fosse apenas uma função mecânica.

            Como um carro, por exemplo!

            Ao verificar um defeito na mudança de marchas podemos mudar apenas o câmbio, porém o carro não é só o câmbio como também os seres vivos não estão aqui apenas empenhando funções biológicas dentro de um ecossistema, pois são seres vivos que lutam por suas essências.

            Por isso o encontro com o amor é tão complexo em nossas vidas, por que olhamos apenas uma parte e não reparamos o todo. Aprendemos a ser assim para arrumar as coisas a nossa volta, mas quando olhamos para nós mesmos como um todo, vemos que queremos muito mais que só desejo erótico, ou só companheirismo, também precisamos saber cuidar de si e do outro, de entregar e aceitar a entrega feita e compartilhar juntos o mesmo momento, o mesmo viver.

            Então amamos porque estamos aqui dentro deste imenso ecossistema de ‘vivenciar’ e então achamos que fazemos isso ou aquilo por nós mesmos, mas na realidade fazemos porque estamos a todo o momento trocando vida por vida!

            Sementes que poderiam gerar mais seres iguais deixam de serem geradas para germinar em nós, em troca germinamos uma parte para que outros de nós também prossigam neste ciclo e sempre avançamos em direção ao amor!

            Querendo ou não, estamos cada vez mais próximos daquele amor pregado por muitos que deixaram de viver por viver, para serem sementes de um novo viver, é um processo de constante elevação dos seres.
           
            Hoje queremos dar o amor ao nosso ser amado, também amamos outros seres que são apenas viajantes como nós, nessa imensa nave que é o nosso planeta, para isso, alguns poucos de nós damos as nossas existências um significado maior do que o simples existir. Fazendo assim o poder do amor uma força milagrosa que pode não só curar mais também mudar os seres.

            Como uma planta que aos poucos vai mudando de forma para ser e servir a este ou aquele ser, nós também precisamos mudar para ser e servir ao amor que desejamos. Querer o bem é também de nosso domínio, por isso precisamos saber encontrar em nós, o nosso querer e como podemos ver, não dá pra viver apenas com uma parte deste poder que é o amor, é preciso muito mais que só ação de corpos e amizade há também de se ter fé como o Ahava, coragem para Raya e caridade como quem dá ao outro o seu Dod não só no físico, mas com todo poder que só o amor tem.

E sobre este poder esta o seu ser
Viva então a liberdade de amar
Sem medo de que este amor seja Verdadeiro!
Por que agora você já sabe: Sobre o amor!

            




            Você poderá gostar também de:

http://reflexhuman.blogspot.com.br/2013/03/sob-o-poder-do-amor.html