sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Curtindo... Há Vida Adoidado?


Já observou como as pessoas curtem a vida?

Será que as pessoas sabem mesmo curtir?
           
Eu vejo tantas pessoas dizendo pra mim:
           
- Você precisa sair!
- Você precisa ir pra “balada” se divertir, beber pra relaxar, catar umas minas...


Mas eu olho pra vida dessas pessoas e o que elas vivem?
Aliás, será que elas pelo menos sabem o que é viver?

            A vida não tem mistério nenhum, não existe nada lá fora que te faça viver, pois a vida é simplesmente o fato de você estar existindo, se movimentando e interagindo com o seu próprio existir e com o seu próprio viver, com outras pessoas também, pois sozinho não somos nada. Só temos um nome não por que você precisa de um nome, nenhum ser da floresta, nenhuma outra forma de vida tem nome próprio. Nós chamamos elefante porque é o nome que damos ao ser que é hoje um dos maiores mamíferos da Terra, de orelhas grandes e de trompa..., mas o elefante nem sabe que você o chama assim, é claro se você der um nome ao ser elefante, por exemplo: Escovinha! E toda vez que chamar Escovinha o elefante irá olhar pra você, não porque ele sabe que é o Escovinha, mas sim porque é o som que você emite quando quer interagir com ele. Então este som passa a ser a identidade do elefante, mas a ideia de identidade é apenas uma ideia humana. Da mesma forma temos cada um, um nome, uma ideia de que este nome é a sua identidade, mas de fato é apenas uma palavra usada para interagir com outros seres, por tanto temos um nome por esta necessidade, de interação e até de relação com outros seres, e isso se tornou importante para todos nós, de certa forma temos a necessidade de viver com outros seres, com outros nomes. Portanto temos sim a necessidade de sair de conhecer novas pessoas em outros lugares além de nosso pequeno mundo.
            Até o fato de falarmos e em alguns casos, até com as mãos o ser humano fala, indica que a natureza nos deu esta agilidade por uma necessidade do ser, mas isto é apenas uma ferramenta que colabora com sua existência e de todos os seus semelhantes, mas ainda é preciso saber o que viver o que fazer com esta ferramenta!

            Você sabe como usá-la?
            Sabe mesmo viver?

 
           Quantas pessoas passam horas e horas falando e relatando suas experiências de vida, enchem o peito como se a sua conversa fosse cheia de importância, cheia de sabedoria, mas a maioria dos diálogos não passa de repetições de outras histórias e de fatos já ocorridos. Já observou que depois de uma grande tragédia ou de algum fato importante, seja político ou de natureza artística..., as pessoas vão aos lugares e passam horas debatendo aquele assunto, o assunto do momento. Isto não é errado, não estou dizendo isto, é apenas a visão do que acontece, da realidade em que vivemos, mas o fato é:


            Qual o aproveitamento que se tem de toda conversa?
            O que sobrou daquele dialogo?
           
            Na maioria das vezes as pessoas apenas se elucidam de que, querendo elas ou não, que existem um senso comum, algo como uma verdade a ser seguida, como por exemplo, no caso de um incêndio onde há muitas vítimas, todos acabam observando que faltou um extintor de incêndio que funcionasse no local, ou que normas técnicas de segurança não foram seguidas, como portas de saídas de emergência... Enfim alguém ali e por maioria das vezes todos os demais não observaram, respeitaram e seguiram o senso comum (ou o conhecimento popular) e acabaram sendo vítimas da ignorância dos outros e de sua própria ignorância, pois se estas normas existem, se estas exigências são feitas, é porquê o empirismo da existência humana já comprovou que sem este senso, sem estas obrigações o risco em uma tragédia, as perdas de vidas humanas são bem maiores. E é incrível como que esses fatos ocorrem exatamente onde à consciência de todos falham! Parece até que todos estavam hipnotizados ou em estado de sono profundo ainda que acordados!
            E como as pessoas que estão neste estado de quase total falta de consciência, querem te levar para o mesmo caminho. Pois se você não participar junto com eles desse estado letal e até fatal de semi sono em vida, ainda têm aqueles que querem mesmo é te tirar a consciência, te falando que viver é tomar bebida alcoólica, fumar e até usar drogas!!! Todas estas substâncias que supostamente estão ali sendo servidas e ofertadas a você para uma alegria ilusória, só vão mesmo é te tirar do estado de alerta, te omitir sua consciência e te jogar no mesmo estado letárgico que todos se encontram! E ainda dizem que é você que não sabe “CURTIR” a vida!
 
             Mas o que é curtir?

            Na verdade (e sempre tem a verdade) curtir é saborear, tornar puro, melhor, mais saudável e até fazer com que algo não apodreça. Deixar que algo seja aproveitado e consumido depois de anos que ficou apenas em repouso, em um estado de descobrir a si mesmo; o vinho que se torna mais saboroso, por ter sido deixado lá, quietinho para ser vinho; o couro que foi limpo e exposto ao sol para ser e ficar sendo apenas mais perene em ser couro...



            E por que só no ser humano o sentido de curtir esta ao contrário?
           
            É ao contrário, por que ninguém pára pra ouvir a si mesmo?
            Porque todos estão sempre agitados e falando sem parar como se estivesse usando uma máquina de fabricar frases automáticas, sem um raciocínio profundo, sem o que deveria ser o senso de todos nós.

            Algumas pessoas dizem para não responder uma pergunta com outra pergunta..., por que isto?
            Será o medo de se aprofundar!!!
           
            Pra piorar a situação criaram e ofertam de graça a fórmula mágica do grande segredo para não cair com a mente no abismo, chama-se: “A verdade de cada um”.
           
            Bem, lá vem o ser humano com mais contrariedade, se há somente a verdade de cada um por que então se reunir e ficar falando e repetindo o assunto do momento quando até por uma consciência coletiva que todos de certa forma já têm, se descobrem que os fatos daquela tragédia só ocorreram por que faltou seguir o senso! E um senso tão comum que até por lei está escrito e identificado que todos devem interagir com aquele modo de proceder, como nosso elefante Escovinha! Basta dizer: - Escovinha! E ele já olha. Não seria o caso de qualquer ser humano olhar e ver:

            - Cadê as portas de emergência!

            Antes mesmo de qualquer tragédia, pois se já temos uma lei, uma identidade é para que todos possam olhar, ou será que só o Escovinha sabe fazer isso?

            Tem uma razão até razoável para o ser humano fazer isso!

            Já imaginou que alguém pudesse simplesmente conquistar multidões apenas com suas palavras?
           
            Este alguém é como se fosse o Dono da Escovinha! Já que você o chamou, melhor dizendo: Deu ao ser uma identidade, passa a ser de sua OBRIGAÇÃO cuidar e olhar para o Escovinha, você que sabe, que tem a palavra a ser ouvida e seguida, tem que interagir e agir em beneficio de todos! Uma forma de poder e obrigação que só o Dono do Escovinha tem agora, mas como ninguém quer ser responsável por algo tão grande, como um elefante, esta obrigação é só então do chamado poder público, que nada mais é que a nomeação dentro de uma sociedade, daqueles que por fazerem a lei têm então a obrigação de exigir seu cumprimento.

            Mais já que cada um quer ter a sua liberdade, de fazer a sua verdade, será que esta só funciona quando a verdade de cada um for uma verdade para todos?

            Como podemos esperar que só o poder público seja verdadeiramente cumprido se nós não interagirmos com ele!

            Sem essa de dormir em vida e achar que dormindo é que se vive!

            O que é pior é que todos ao interagir em estado de sono não conseguem uma das maiores buscas que perturba quase toda humanidade: Amar!

            Todos se tocam, se relacionam fazem até sexo, mas não amam!
           
            Sabe por quê?
           
            Por que ninguém quer ser tocado na sua verdade (própria). Podem usar o corpo, dar o que chamam de prazer ao outro, mas não podem se amarem, pois o real sentido do amor é a entrega e ninguém quer receber da vida algo estragado; algo que não foi curtido direito; ninguém quer beber o vinho que de tão agitado estragou e não serve nem pra vinagre, ninguém quer vestir o couro com cheiro de carniça, com o odor de animal sujo!

Então eu me pergunto?

Aonde é que eu realmente posso ir para verdadeiramente curtir a vida?

Alguém que ler isso pode me dizer onde?
           
Por enquanto estou curtindo a vida. Dentro de mim mesmo!

            Ahh! Já ia me esquecendo: Continuem Adoidados! Se é que isso é vida!


Comente com o Facebook: